A liberdade que eu não quero

A mulher cristã é total e completamente livre, não pela própria vontade, mas pela ação libertadora de Cristo e do seu evangelho. 

Na era da informação e das redes sociais muito se fala em liberdade. A sociedade tem pregado como nunca à cerca desta palavra, e movimentos têm se levantado para defendê-la. Falam, sobretudo, da liberdade da mulher. Mas o que é, de fato, a liberdade? Quais aspectos são capazes de definir com clareza este conceito?

Na percepção do mundo, uma mulher livre é exatamente o oposto daquilo que as sagradas escrituras nos instruem a ser. A partir deste estereótipo, uma mulher cristã que viva piedosamente, é vista pela sociedade como uma mulher aviltada, inepta e até mesmo limitada. Para o mundo, nosso valor tem sido ofuscado pelo evangelho e somos vítimas de um sistema religioso que nos oprime. Aqueles, porém, que pela ação do Espírito Santo, foram agraciados com a compreensão do evangelho, tendo sido alcançados por Cristo Jesus, sabem muito bem que esta é uma visão completamente equivocada e distorcida.

A mulher cristã é total e completamente livre, não pela própria vontade, mas pela ação libertadora de Cristo e do seu evangelho.  A palavra de Deus nos diz em João 8:32 que ao conhecermos a verdade, seríamos libertos por ela.  Isso porque até que tenhamos alcançado o entendimento do evangelho e da graça de Deus, nós somos escravas do pecado.

Romanos 6:17,18 “Mas graças a Deus que, tendo sido servos do pecado, obedecestes de coração à forma de doutrina a que fostes entregues. E, libertados do pecado, fostes feitos servos da justiça.”

A mulher cristã possui a paz de poder exercer a sua liberdade de uma maneira saudável e genuína. As escolhas que se apresentam, não vêm mais carregada pelo prazer no pecado. Ao contrário do que acontecia antes de sermos resgatadas por Cristo, quando a nossa escolha pendia sempre para a carnalidade, agora somos impulsionadas pela ação do Espírito Santo a viver de maneira agradável a Deus e a andarmos na luz.

Efésios 5:8,9 “Pois, no passado éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor. Assim, andai como filhos da luz, porquanto, o fruto da luz consiste em toda bondade, justiça e verdade;”

Naturalmente, nós não possuímos a capacidade de escolher aquilo que é aprazível a Deus (por consequência, escolher o que é bom para nós, pois a vontade de Deus é boa, perfeita e agradável). Toda a nossa inclinação era para o mal, e dada a nossa natureza caída, não éramos capazes de enxergar as coisas com clareza. Tínhamos a falsa impressão de sermos livres, de ter a capacidade da escolha, quando na verdade, éramos dominadas pelo pecado, de quem éramos servas.

Romanos 7:17 a 19 “Nesse sentido, não sou mais eu quem determina o meu agir, mas sim o pecado que habita em mim. Porque sei que na minha pessoa, isto é, na minha carne, não reside bem algum; porquanto, o desejar o bem está presente em meu coração, contudo, não consigo realizá-lo. Pois o que pratico não é o bem que almejo, mas o mal que não quero realizar, esse eu sigo praticando.”

Segundo o filósofo René Descartes, “age com mais liberdade quem melhor compreende as alternativas que precedem a escolha. Dessa premissa, decorre o silogismo lógico de que, quanto mais evidente a veracidade de uma alternativa, maiores as chances de ela ser escolhida pelo agente. Nesse sentido, a inexistência de acesso à informação afigura-se óbice à identificação da alternativa com maior grau de veracidade.”¹

Até conhecermos a Cristo, não tínhamos outra alternativa de escolha senão o pecado. A mesma sociedade que prega a liberdade, nos impunha a todo custo aquilo que popularmente é “o melhor”. A maneira de nos vestir era ditada pela moda, o corpo perfeito era padronizado pela opinião da maioria, um comportamento sóbrio e tradicional poderia ser constrangedor, por ser visto como retrógado e comumente censurado. Tudo isso então, fazia com que tivéssemos a falsa sensação de possuir liberdade de escolha, quando, na verdade, tínhamos sido sugestionadas desde a infância a um determinado padrão de atitude e comportamento estabelecido como aceitável pela maioria. Agir como gostaríamos quase sempre leva à rejeição, e éramos então impulsionadas a abdicar do nosso verdadeiro ‘eu’ em troca de aceitação.

Ao sermos resgatadas das trevas para a maravilhosa luz de Cristo, nossos olhos espirituais foram abertos, e deixamos para trás o jugo da servidão do pecado, passando a compreender os planos de Deus para nós. Tudo o que antes era prioridade, deixou de ser. Todo nosso apego às coisas deste mundo, que nos atribulavam e feriam, foi dando espaço à profunda paz que só pode ser experimentada em Cristo. Somos agora fruto da ação do Espírito Santo, e à medida que buscamos a santificação e amadurecemos espiritualmente, compreendemos toda a banalidade das coisas terrenas, passando a priorizar o que é espiritual e eterno. Compreendemos que não precisamos da aceitação desse mundo mau. Não precisamos de popularidade, nem da aprovação da sociedade. Estamos aqui para glorificar a Deus com as nossas atitudes, e a nossa alma anseia por assim fazê-lo. Nosso espírito se alegra em buscar o que é eterno, abandonando nossas práticas carnais.

Gálatas 5:1 “Estai, pois, firmes na liberdade com que Cristo nos libertou, e não torneis a colocar-vos debaixo do jugo da servidão.”

Entendemos, então, que não precisamos brigar por um direito que já nos pertence… nós já somos livres! O sacrifício de Cristo na cruz nos libertou, e hoje podemos nos deliciar na sua graça. Uma vez convertidas por Jesus, somos capazes de entender a grandiosidade do dom de ser mulher, o dom de ser feminina. Deus nos mostra o quanto somos amadas por Ele, e que exercer a nossa feminilidade piedosamente não é uma carga, mas uma bênção indescritível. Ao compreendermos o plano divino na criação da mulher, nos desprendemos de determinados conceitos que regem a sociedade, através da percepção do verdadeiro sentido da feminilidade e da aceitação da nossa própria natureza, experimentando, a partir daí, uma liberdade genuína. Lutar contra aquilo que Deus criou só nos provocava dor e sofrimento. Aceitar, porém, com alegria na alma, esse privilégio que nos foi dado, nos faz vivenciar a plenitude de ser mulher. Somos por natureza, doces, amáveis, sensíveis, delicadas, entusiasmadas com a simplicidade das coisas… somos graciosas. O que não exclui a nossa força, garra, fibra e determinação. Deus nos capacita com todos esses maravilhosos dons, e quando aprendemos a exercê-los, compreendemos o que é a verdadeira liberdade.

Não somos mais escravas da moda sensual, da opinião do mundo de que “o que é belo é para se mostrar…”. Temos a liberdade de escolher peças de roupa que refletem toda doçura plantada por Cristo em nós, sem nos preocupar em atrair olhares para nós mesmas. Nossa preocupação é em apontar para a glória de Cristo.

Não somos mais escravas dos nossos desejos carnais, temos a liberdade de escolher nos guardar para um amor verdadeiro que um dia nos presenteará com uma vida plena no matrimônio abençoado por Deus. Não nos importamos mais com as pressões deste mundo que nos qualifica como retrógradas. Sim… nós podemos escolher, e a opinião do mundo já não nos incomoda mais.

Nós somos livres para nos dedicar aos estudos e construir uma linda carreira de sucesso profissional, fazendo a diferença na nossa profissão e levando o brilho de Cristo no nosso ambiente de trabalho. Mas também somos livres para, se quisermos, abdicar disso em prol de viver para nossa família, o que não diminui nosso valor. O mundo tenta reduzir o conceito de mulher bem-sucedida ao sucesso profissional, o que é um equívoco. Mulher bem-sucedida é a mulher que encontrou a felicidade na sua essência; para nós, a felicidade está em ser de fato uma serva de Cristo, e ter sucesso é florescer onde Deus determinou.

Como seres humanos e também como mulheres, estaremos sim, sujeitas a sofrer injustiças pelo caminho. Jesus nos alertou de que teríamos aflições, e o mundo é mesmo injusto. Vivemos numa nação bem mais igualitária quando comparada à realidade do oriente médio, por exemplo; mas ainda assim, poderemos ser privadas de nossos direitos. Diante disso, não devemos nos calar ou curvar. Mas a nossa forma de batalhar deve estar pautada na palavra de Deus. Nós não dependemos de ideologias e discursos falhos que vão na contramão do evangelho. É lícito e louvável batalharmos por melhorias nas leis da nossa nação, desde que tal luta seja conduzida de maneira honrosa, decente e digna. Lutamos contra as injustiças fazendo a diferença, denunciando o que precisa ser denunciado, nos impondo diante das negativas, demonstrando nosso valor através de um caráter transformado. Superamos nossos limites utilizando o intelecto, o esforço e principalmente a oração, sem nos esquecer de que o nosso exemplo é Cristo. Não é nos ridicularizando de maneira vexatória, que conquistaremos o espaço que precisa ser conquistado. É através da perseverança, trabalho duro, inteligência, caráter, e força de vontade. É assim que enxergarão nossos valores. Gritar não fará com que nos ouçam, mas a nossa postura sim, falará e se fará ouvir. As injustiças a que estamos sujeitas aqui se devem ao pecado, e é com a graça de Deus que vencemos neste mundo injusto. Somos servas de Cristo, e uma postura serena, elegante e sóbria, transmite silenciosamente a dimensão do nosso valor. A nossa feminilidade é também a nossa arma, é o nosso instrumento de transformação do meio em que vivemos.

1 Pedro 2:16 “Considerando que sois livres, não useis a liberdade como pretexto para fazer o que é mal, mas vivei como servos de Deus.”

Mais do que todos estes aspectos da nossa liberdade, porém, temos o mais importante: o de servir a Deus. Nossa alma é livre para louvar ao Criador, e para fazer do nosso corpo um altar de adoração. Somos livres para viver para Ele, graças a Cristo que nos libertou. Enquanto vivermos neste mundo estaremos sujeitas às tentações e suscetíveis aos erros, mas o Espírito Santo cuidará de nos manter neste caminho maravilhoso que nos levará à nossa Pátria. Vivamos, então, de maneira a transparecer o brilho de Cristo em nós. Exerçamos a nossa liberdade conscientes de quem somos, e do alto preço que por nós foi pago. Busquemos agradar a Deus nas mínimas coisas, honrando o evangelho ao não nos curvar a este mundo.

1 Coríntios 6:19,20  “Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus.”

Abracemos com amor a nossa liberdade, fazendo bom uso dela. Abracemos, porém, a verdadeira liberdade. Essa liberdade de ser mulher, de ser feminina, de conquistar nosso espaço com a humildade de um verdadeiro cristão. A liberdade de espalhar doçura e de transbordar amor, com singeleza e serenidade. Dessa liberdade eu me orgulho, e nessa liberdade eu me alegro. Cumprir a vontade do pai, é a maneira mais autêntica de exercê-la, pois fomos criadas para o louvor Dele.

Da liberdade que o mundo prega, porém, quero distância. Essa que dizem querer me garantir, quando na verdade tentam me impor. Essa liberdade fictícia que nos aprisiona nas cadeias do pecado e nos cega a alma… Desta, eu não preciso. Disso, eu abro mão. Motivo de nos alegrar é que, sendo escravas de Cristo, tornamo-nos, então, livres deste mundo, graças a Deus.

Romanos 6:22   “Contudo, agora libertos do pecado, e tendo sido transformados em escravos de Deus, tendes o vosso fruto para a santificação, e por fim a vida eterna.”

 

Marlene Notelio de Morais

¹ https://pt.wikipedia.org/wiki/Liberdade

Anúncios

Armadilhas do coração: fugindo de um falso amor

Hoje quero trazer para vocês o triste e emocionado desabafo de uma mulher. Uma mulher real, uma história real. Com ele, quero levar à reflexão sobre nossas escolhas. Sobre como levamos nossa vida e sobre quem escolhemos para ser uma só carne conosco. Existem armadilhas que o coração prepara, das quais devemos ser aptas a nos desviar. Como a palavra de Deus nos alerta em Jeremias 17.9:

Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o poderá conhecer?” 

“Uma coisa que aprendi tarde, e à base de muito sofrimento, é que deixar a emoção sobrepor à razão é muita burrice. Eu era uma garota tranquila, estudava, trabalhava e vivia em paz com minha família. Aliás, eu tinha total confiança e admiração de todos. Vivia na igreja e era muito feliz. Era uma garota conservadora, de princípios. Mas, infelizmente, acreditei ter encontrado o amor, um conto de fadas. Isso porque eu já passava dos vinte anos e não era mais criança. Nesse período conheci meu marido. Ele era mais velho que eu, divorciado, tinha filhos e vivia com outra mulher que também tinha dois filhos com ele. Foi um amor muito forte. Ele me conquistou com seu falso cavalheirismo e carinho. Sempre se vestiu com elegância. Tinha uma boa lábia, se mostrava ser culto, erudito… não teve jeito. Me envolvi de corpo e alma, foi uma entrega total. Acreditei ser o amor, sem analisar a situação. Com isso, traí a confiança de todos, não quis ouvir a ninguém. Magoei minha família, principalmente aos que eu mais amava: meus pais. Como eu os fiz chorar! Fui embora com ele deixando uma tristeza devastadora na minha casa. No início tudo foi um mar de rosas. Mas depois de um tempo, tudo mudou. Veio a realidade. Comecei a perceber que tudo tinha sido uma ilusão. Ele não era nada do que eu sonhei para minha vida. Não era mesmo. Ele era grosseiro, ignorante no tratamento, dominador, controlador. Me proibia até de ir à igreja. Deixei de fazer tudo que eu queria para viver este “grande amor”. Sempre duvidava da minha palavra, brigava comigo até em público. Suas palavras sempre feriam minha alma. Como se não bastasse, depois de um tempo, até de trabalhar ele parou. Tive que trabalhar duro para sustentar meus dois filhos que, aliás, são as duas únicas coisas maravilhosas que me aconteceram. Os dois são bênçãos de Deus, que eu não merecia. Deveria ter me separado. Mas não fiz. Não sei porque, se por orgulho, para não admitir meu erro, ou por falta de coragem. Vai ver me acostumei com o sofrimento, me acostumei a viver daquela forma, não sei dizer o que aconteceu. Hoje, trinta anos depois, continuo com ele. Hoje não me separo por pena. Ele já tem a idade avançada, com vários problemas de saúde, e depende que alguém cuide dele. Mesmo fragilizado fisicamente, as ofensas verbais continuam. Eu oro a Deus por uma solução, para transformá-lo, mas ele sequer acredita na palavra de Deus. Ele vive blasfemando contra Cristo. Eu vivo sorrindo por fora e chorando por dentro. Cristo me reconciliou com Deus e eu não me tornei uma mulher amarga por causa da misericórdia Dele. Eu tento não levar meus problemas para as outras pessoas, nunca tive depressão, nada do tipo. Tudo porque a alegria do Senhor é a minha força. Não pergunto a Deus porque Ele permitiu que isso acontecesse comigo, pois no fundo, eu sabia que não era certo, e mesmo assim, fiz. Essas foram as consequências de brincar com o pecado. Se aqui eu nunca puder ser plenamente feliz, tenho certeza que nos braços do Pai eu serei. Sim, porque me arrependi sinceramente, pedi perdão aos que eu magoei, e pedi perdão a Deus, que é rico em perdoar. Sei que apesar dos meus erros e de eu não merecer nada, Ele me olha com olhar de misericórdia, e também sei que Cristo já pagou por este meu pecado, e por todos os outros, lá na cruz.”

Quanta amargura, desgosto e tristeza podem existir por trás do sorriso desta mulher… Esses olhos cansados revelam um mundo que desmoronou, uma vida de dissabores. Cada traço nesse rosto conta uma parte da história, um capítulo infeliz que se passou. Seu semblante abatido revela muito, mas não é capaz de traduzir com franqueza a profundidade de tamanha dor, nem mesmo para quem atentamente o tenta ler. Hoje, já amadurecida pelo tempo e ensinada pelo sofrimento, ela repassa o filme em sua mente todos os dias, buscando entender o porquê. Hoje ela já superou a ansiedade que dantes a torturava. Hoje, mulher, ela lida com um sentimento mais duro e austero: o arrependimento.

Mas sabe… Esta mulher um dia já foi uma garota. A garota que sonhava com uma linda história de amor, com um “felizes para sempre”. A garota que tinha planos, expectativas, esperanças. Que sonhava com aquele vestido branco, com aquele buquê de rosas. Com a família perfeita. Que já carregava consigo valores e princípios, cuidadosamente ensinados por sua mãe. Em algum momento, porém, essa garota se perdeu. Por alguma razão ela se esqueceu de quem era, e caiu na terrível e inexorável armadilha do coração. Essa história poderia ter tido outro rumo, afinal, diferente de sua mãe e de sua avó, ela tinha o direito da escolha. Ela já não fazia parte de uma sociedade que a empurrava como se, por ter nascido mulher, não tivesse direitos. Não. Ela tinha uma escolha a fazer, mas infelizmente, não soube.

O desabafo desta mulher é também o de muitas outras. Infelizmente, não são poucos os casos assim.  Esta mulher se envolveu com a pessoa errada, entregou seu coração a alguém que não merecia. Como resultado, levou uma vida de muito sofrimento, um sofrimento que poderia ter sido evitado. Desperdiçou sua juventude pra viver em função de alguém que nunca soube amá-la, que nunca valorizou o que ela é. O fator determinante é: por quê?  Não faltaram sinais de que aquilo era uma cilada. Ela conhecia o passado dele, sabia de seus posicionamentos à cerca de muitas coisas – das quais, inclusive, ela tinha opinião contrária, e não faltaram conselhos dos que estavam à sua volta. Aquilo nunca pareceu bem aos olhos de ninguém. Exceto, dos dela. É aí que se encontra o problema. Ela não estava cega, mas se fez de. No fundo, bem lá no fundo, ela conhecia aqueles defeitos, que não são do tipo tolerável, remediável… Mas ela preferiu ignorar. Ignorou os conselhos, os indícios, os fatos que ele em nenhum momento negou ou escondeu. Ela ignorou, inclusive, quem realmente ela era. Tudo isso em função de um sentimento platônico, que dominou sua razão. Ela preferiu dar voz à emoção. Isso é o que acontece quando nos afastamos de Deus. Todos nós estamos sujeitos a fazer as escolhas erradas, faz parte da nossa natureza caída. Mas Deus em sua infinita misericórdia nos instrui na sua maravilhosa palavra, sobre como nos esquivar das armadilhas do coração.

Provérbios 4:23 “Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida.”

E muitas jovens entram nessa situação. Muitas são as que iniciam um relacionamento, sem avaliar com frieza se aquela pessoa é a ideal. Iniciam um namoro sem qualquer critério, como alguém que experimenta uma peça de roupa para decidir se ficará com ela. Jovens que ainda não têm maturidade, não sabem nem o que esperam da vida, e se engajam num relacionamento sem dispensar a isso a devida atenção. Tomadas pela ansiedade, por se sentirem só, por desejarem tão ardentemente ter alguém para dividir a vida, se submetem a relacionamentos que só fazem mal, que não trazem absolutamente nada de bom, que não acrescentam em nada. Em outros casos, a garota inicia um namoro consciente, crendo que esse rapaz é o ideal. No decorrer do namoro, porém, ela é capaz de perceber que ele tem defeitos com os quais ela não conseguirá lidar, que vão contra os princípios dela. E o que ela faz? Ignora. Já está tão envolvida emocionalmente, tão “apaixonada”, que ela prefere ignorar os claros sinais. Ou ainda, tem a esperança de que será capaz de mudar essa pessoa, que estes defeitos serão superados com o tempo. Agarram-se a esta ilusão, e continuam caminhando em direção ao casamento, até que então, é tarde demais. Tarde porque já se entregaram de corpo e alma, já se envolveram a ponto de não saírem mais emocionalmente ilesas disso tudo. Já foram marcadas pela dor, já sofreram o suficiente para não serem mais as mesmas.

O desejo de Deus é que o matrimônio só termine com a morte, Ele criou o casamento para durar a vida inteira. Assim também sonha toda garota Cristã, toda conservadora. Estas sonham com o dia em que serão uma só carne com o homem que ama, com quem dividirá sua vida e construirá uma linda família. Porém, muitas destas meninas não têm sabido direcionar suas vidas para que tudo ocorra assim. Quando se sentem atraídas por determinado rapaz, ou, ao serem cortejadas por um, a atitude mais sensata deveria ser se voltar totalmente para Deus, O buscar em oração, se consagrar a Ele e suplicar que a livre dos desejos de seu próprio coração, e que a vontade Dele prevaleça. No entanto, muitas fazem exatamente o contrário. Distanciam-se completamente de Deus, confiam em si mesmas, dão passos maiores que a perna, e quando se dão conta, já estão emocionalmente envolvidas, a ponto de não quererem mais recuar. Esta é uma grande armadilha. Ficam noivas ainda com a dúvida: Será que ele é a pessoa certa? “Empurram com a barriga” um namoro conflituoso, sujo, pecaminoso, imoral, abusivo, um namoro que só a distanciou de seu Criador, dos seus princípios, do seu valor, do seu amor próprio. Um namoro que nem deveria ter começado, se esta moça tivesse se concentrado em agradar a Deus, em buscá-lo de todo coração. (Leia também: Namoro Cristão) Ela entregou este coração, que deveria pertencer a Deus, para um rapaz que nem de longe é o que deveria ser. Esta moça, na ilusão de se poupar de um sofrimento presente, protela tal sofrimento para depois do altar. Ela pensa que não é capaz de por fim nessa relação, e continua até o casamento.

Provérbios 3:1-7 Filho meu, não te esqueças da minha lei, e o teu coração guarde os meus mandamentos. Porque eles aumentarão os teus dias e te acrescentarão anos de vida e paz. Não te desamparem a benignidade e a fidelidade; ata-as ao teu pescoço; escreve-as na tábua do teu coração. E acharás graça e bom entendimento aos olhos de Deus e do homem. Confia no Senhor de todo o teu coração, e não te estribes no teu próprio entendimento. Reconhece-o em todos os teus caminhos, e ele endireitará as tuas veredas. Não sejas sábio a teus próprios olhos; teme ao Senhor e aparta-te do mal.

Nesse ponto, tudo já se complicou. Isso porque de uma forma ou de outra, ela irá se ferir.  Os defeitos de alguém ficam ainda mais evidentes depois do casamento, isso é natural, dada a convivência. Mas quais são estes defeitos? São defeitos morais? Fuja disso. Se essa garota percebe isso e ainda assim se casa, esperando que ele mude, muito provavelmente terá um casamento infeliz, ou passará pelo sofrimento do divórcio. Isso tudo, por não se atentar para a palavra de Deus, por não manter seus olhos voltados para Cristo. Por dar ocasião à carne e permitir que seu coração fosse tocado por alguém indigno disso.

Gálatas 5:24 “E os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências”.

Moça, não permita que essa história seja a sua. Você tem a opção de dizer não. Você não tem que se sentir ansiosa por não ter um namorado ainda, e no desespero, se envolver com alguém que sabidamente não é merecedor. Se você já está neste namoro, nesse maldito namoro, tenha coragem para por um fim nisso. Não se submeta a um relacionamento abusivo, desrespeitoso, que te fere e te aflige, por acreditar que ele é o amor da sua vida. Tenha amor próprio, mas principalmente, ame a Deus sobre todas as coisas. Não se coloque numa situação da qual será cada vez mais difícil sair. Não negocie seus princípios. Não negocie sua fé.

Cantares 8:4 “Conjuro-vos, ó filhas de Jerusalém, que não acordeis nem desperteis o amor, até que ele o queira.”

São muitos os casos em que a mulher, sofre no casamento. Violência física, psicológica, ou simplesmente, falta de amor e carinho, o que vem a ser uma tremenda violência também. Mas e então, vamos demonizar os homens, colocando todos eles numa vala comum, taxando-os duramente de “opressores”? Vamos odiar a instituição criada por Deus chamada família, desistir do amor, e nos engajar em movimentos que são totalmente contrários à palavra de Deus? Claro que não! O mundo está cheio de homens de caráter, homens que sabem o que é respeito, o que é o amor. Servos de Deus genuínos, não simplesmente religiosos que cumprem um ritual. Homens de fibra, homens de verdade. Homens que são cavalheiros, atenciosos, que saberão tratar suas esposas como rainhas. Homens que também buscam em Deus uma esposa excelente, que seja tudo aquilo que ele sempre sonhou. Sim. Estes homens existem. Porém, eles não estarão no meio da multidão. Para que você encontre o homem ideal, é preciso primeiro ser a mulher ideal. Amadureça primeiro, busque a Deus antes. Tenha certeza de que seus valores estão firmados na palavra Dele. Que seu coração já atingiu um conhecimento profundo da verdade do evangelho. Amadureça espiritualmente. Amadureça emocionalmente. Nunca se permita amar qualquer coisa antes de amar a Deus. E peça ao Pai que envie um homem que também O ame acima de todas as coisas. Um homem segundo a vontade Dele. Seja sábia. Quando este homem aparecer, seja observadora, e não se distancie de Deus. Fique atenta aos sinais, ninguém consegue fingir ser o que não é o tempo todo. E além disso, a bênção de Deus é fácil de ser identificada:

Provérbios 10:23 “A bênção do Senhor é que enriquece; e não traz consigo dores.”

Deus nos diz em sua palavra que se nós, que somos maus, sabemos dar boas dádivas aos nossos filhos, quanto mais Ele que é Deus. “Pedi, e dar-se-vos-á”. Leia Mateus 7. Lá Cristo nos alerta que larga é a porta e espaçoso é o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que passam por ela. Mas saiba pedir a Deus. Tiago nos ensina que pedimos e não recebemos porque pedimos mal. O Salmo 37 também nos orienta quanto a estas questões:

Salmos 37:3-7 “Confia no Senhor e faze o bem; habitarás na terra, e verdadeiramente serás alimentado. Deleita-te também no Senhor, e te concederá os desejos do teu coração. Entrega o teu caminho ao Senhor; confia nele, e ele o fará. E ele fará sobressair a tua justiça como a luz, e o teu juízo como o meio-dia. Descansa no Senhor, e espera nele; não te indignes por causa daquele que prospera em seu caminho, por causa do homem que executa astutos intentos.”

Aquela mulher sabia que estava cometendo um erro, e seguiu em frente. Não sabemos o que se passou na cabeça dela, o que se passava em seu coração, mas no fundo ela sabia. Aquele homem vinha de um divórcio e iria abandonar uma mulher e dois filhos… o que garantia que esse amor que ele dizia sentir por ela, também não iria acabar? Em que aspecto isso aparentava ser bom? Não se engane minha jovem. Não brinque com o pecado, não duvide que você, assim como eu, é uma pecadora, e está sujeita a tentações. Por isso é tão importante manter uma vida de santificação, de busca, de oração. Uma vida que venha a refletir a pureza de Cristo.

Provérbios 14:12 “Há um caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte.”

Moça, proteja seu coração de armadilhas. Ame a Deus e ame-se. Não aceite menos do que um homem honesto, que te respeite, um homem trabalhador. Não se submeta ao sofrimento, não procure por ele. Saiba aguardar o momento certo, não se desespere porque todos estão se casando e você não. Queira para você, um casamento segundo as escrituras, abençoado, que tenha Cristo por cabeça, cheio de amor, e que dure até a morte, mas que dure saudável até a morte. Esse casamento existe, não duvide disso. Busque em Deus aquilo que você procura. Permaneça no exercício da sua comunhão com Deus, e Ele cuidará de todas as coisas. Espere em Deus por um marido excelente, e ore para ser uma esposa de excelência também. Lembre-se de quem você é, lembre-se de quem você é filha. Lembre-se do seu Criador.

Salmos 121:3-8 “Não deixará vacilar o teu pé; aquele que te guarda não tosquenejará. Eis que não tosquenejará nem dormirá o guarda de Israel. O Senhor é quem te guarda; o Senhor é a tua sombra à tua direita. O sol não te molestará de dia nem a lua de noite. O Senhor te guardará de todo o mal; guardará a tua alma. O Senhor guardará a tua entrada e a tua saída, desde agora e para sempre.”

Marlene Notelio de Morais

Lidando com a ansiedade

 

“Uma mulher de espírito manso e tranquilo não surge naturalmente. É um dom de Deus. À medida que uma mulher amadurece como Cristã, ela contenderá cada vez menos com Deus e será cada vez mais contente e grata por sua vida e circunstâncias.” (Marta Peace)

O mundo moderno é um mundo apressado. As pessoas correm de um lado para o outro em busca de realizações profissionais, pessoais, de reconhecimento e sucesso. Parece não sobrar tempo e espaço para as coisas que outrora eram importantes, como uma boa conversa na hora do café, um passeio no fim da tarde, a companhia de quem se ama. Surge então um novo conceito de mulher bem sucedida, e ela está íntima e diretamente (senão exclusivamente) relacionada ao âmbito profissional. Uma mulher que não se destaca profissionalmente, que não se dedica de corpo e alma a uma carreira, fatalmente será taxada de fracassada. Existe também a pressão do estereótipo físico: vivemos a era “fitness”; a mídia e as redes sociais despejam continuamente em nosso colo, o conceito adquirido do que é uma “mulher bonita”.

Essa pressão existe e é diariamente vivenciada por jovens, que estão no início da vida e já sofrem com toda a ansiedade e angústia à cerca do seu futuro, sem saber ainda organizar o próprio presente. Toda essa pressão se revela ainda mais cruel na vida de uma mulher conservadora, que sonha em ser mãe, esposa e dona de casa. Esta se vê num dilema emocional, numa luta interior, sobre como conseguir assumir todas estas posições, sem falhar em nenhuma. As garotas se questionam: “O que deve ser prioridade? Será que eu vou conseguir conciliar tudo isso? Será que eu vou conseguir o emprego dos sonhos quando terminar a faculdade? Será que vou ter um casamento feliz? E quando eu tiver filhos, como vai ser?” Essas meninas não conseguem mais desfrutar plenamente da fase em que estão vivendo, pois já estão com a mente anos à frente. Escutam o tempo todo que o mercado está saturado, que não há emprego, que é preciso se destacar e ser sempre o melhor, etc. Estes pensamentos roubam a tranquilidade e nos impedem de ver as coisas como realmente são.

Aquela que já é esposa, dona de casa e mãe, vive num verdadeiro malabarismo para conseguir lidar com tudo isso e ainda se destacar profissionalmente. Esta se desdobra em várias, para cumprir com toda a demanda que a sociedade impôs sobre ela, para alcançar aquilo que dizem ser o sucesso. Reparte seu tempo e esforço entre: família, afazeres domésticos, criação dos filhos, trabalho, estudo, cuidados com o corpo. No geral, não lhes sobra tempo (e nem disposição), para o lazer, um passeio, ler um bom livro, brincar com os filhos, curtir o marido, e o pior, não lhes sobra tempo para Deus. Ao fim do dia, esta mulher já está cansada, sentindo todo o peso da responsabilidade nos ombros, e ainda preocupada com o dia seguinte. Preocupa-se com a promoção que não sai, com o mestrado, com as finanças, e sim… até com os quilinhos a mais.

Esse quadro tem feito com que muitas garotas convivam com a ansiedade e com o medo de não conseguir. Isso tudo contribui para que mulheres tenham, no fundo, uma sensação de fracasso, inquietação, descontentamento, impotência e frustração, ainda que aparentemente sejam mulheres bem sucedidas.

Mas o que é verdadeiramente sucesso? Para um Cristão, sucesso não é a conquista daquilo que a sociedade impõe e nem é a consumação de suas próprias vontades. Para um Cristão genuíno, ter sucesso é encontrar-se em harmonia, e não em contenda, com aquilo que é a vontade do Criador em sua vida. É possuir contentamento de coração e segurança, por saber que todas as coisas são providas por Ele. Quando aprendemos a colocar Deus em primeiro lugar, as outras coisas se encaixam com toda naturalidade.

“Mateus 6:33 Mas buscai primeiro o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.”   

A mulher cristã deve se lembrar que o que realmente importa, é o que Deus requer de nós, e não as pessoas. Muitas vezes nos importamos muito mais com o que dirão de nós, do que com aquilo que o Pai sabe a nosso respeito. Muitas vezes lutamos (inutilmente) contra a vontade Dele, que é soberana, e nos debatemos pensando saber o que é melhor para nós. Sacrificamos toda a nossa saúde emocional, na busca insensata por uma felicidade e uma realização, que só pode ser encontrada nos braços do Pai. Essa ansiedade é realmente inútil, tendo em vista que Ele tem nossos dias contados e determinados, como diz o Salmo 139:

Salmos 139: “1 Senhor, tu me sondas, e me conheces.  2 Tu conheces o meu sentar e o meu levantar; de longe entendes o meu pensamento.   3 Esquadrinhas o meu andar, e o meu deitar, e conheces todos os meus caminhos. 16 Os teus olhos viram a minha substância ainda informe, e no teu livro foram escritos os dias, sim, todos os dias que foram ordenados para mim, quando ainda não havia nem um deles.”   

Deus nos ensina que essa ansiedade é vã, e de nada aproveita:

Mateus 6:27 “Ora, qual de vós, por mais ansioso que esteja, pode acrescentar um côvado à sua estatura?” 

Tiago 4: “13 Eia agora, vós que dizeis: Hoje ou amanhã iremos a tal cidade, lá passaremos um ano, negociaremos e ganharemos.14 No entanto, não sabeis o que sucederá amanhã. Que é a vossa vida? Sois um vapor que aparece por um pouco, e logo se desvanece.”   

Na medida em que amadurecemos como cristãs e vamos aprendendo mais à cerca de Deus e da Sua palavra, adquirimos a tranquilidade para viver um dia de cada vez, a partir do exercício diário da nossa fé. O nosso espírito vai sendo moldado e aperfeiçoado, de forma que experimentamos a paz que só Deus pode nos dar.

A garota cristã não deve se afligir por conceitos seculares, nem se entristecer por não satisfazer às expectativas das outras pessoas. A mulher que se dedica ao lar, ao esposo, à criação dos filhos, dando a estas coisas mais valor e importância do que às outras, invariavelmente será criticada por não se encaixar nos padrões modernos. Mas que importância isso tem? Quantas mulheres alcançam o topo de suas carreiras, mas não têm, ao fim do dia, o prazer em voltar pra casa? Muitas destas mulheres atingem seus objetivos profissionais, e acumulam coisas, sem, contudo, acumular sentimentos, momentos felizes, sorrisos sinceros e abraços aconchegantes.

“A paz não habita em coisas externas, mas no coração preparado para esperar com confiança e silenciosamente nEle, que tem todas as coisas de forma segura em Suas mãos” (Elizabeth Elliot)

Não quero aqui, de forma alguma, dizer que a vida profissional é sem importância, ou que a mulher não deve se preocupar em crescer profissionalmente. Todas estas coisas são sim, muito importantes. Vivemos tempos difíceis e estabilidade é fundamental. O que espero que compreendam, é que essas coisas possuem papel secundário, quando colocadas na balança com a nossa saúde espiritual, nosso relacionamento com Deus, e a harmonia do nosso lar e da nossa família. O que precisa ficar entendido, é que devemos lutar pelos nossos objetivos, afinal, nada cai do céu; mas não devemos viver obcecadas pelas exigências da sociedade, escravas daquilo que esperam que sejamos. Não pense que o tempo que você dedica a Deus, ao seu lar, ao seu esposo, aos seus filhos, é um tempo perdido. Não pense que estas coisas atrasam o seu sucesso. Entenda que toda a realização que você busca será alcançada a partir da sua dedicação, e da sua fé em Cristo.

Romanos 8:28 “E sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.” 

Quando vivemos uma vida de dedicação a Deus, uma vida de abnegação e de entrega, somos capazes de testemunhar o cuidado Dele sobre as nossas vidas. Vivenciamos o fato de que tudo está no controle de Deus, e que Ele tem o melhor para nós:

Isaías 64:4 “Porque desde a antiguidade não se ouviu, nem com ouvidos se percebeu, nem com os olhos se viu um Deus além de ti, que opera a favor daquele que por ele espera.”   

É preciso fazer nossa parte, mas principalmente buscar em oração aquilo que almejamos. Saber esperar o tempo de Deus é uma virtude que nos poupa de muito sofrimento. A inquietude de espírito rouba nossa paz e nos impede de viver o momento, de aproveitar o hoje.

“Um espírito inquieto e resistente nunca pode esperar, mas aquele que acredita que é amado com um amor eterno, e sabe que por baixo estão os braços eternos, vai encontrar força e paz.” (Elizabeth Elliot)

Moça, você sabe que é filha de um Deus vivo, soberano e rico em amor. Não se inquiete e nem se amargure pelas coisas deste mundo, mas tenha a certeza que Deus cuida de todos os detalhes, e prepara todas as coisas para aqueles que Nele esperam. Não se desespere pela falta de coisas que ainda não tem, pois Deus é que sabe do que precisamos.

Provérbios 3: “5 Confia no Senhor de todo o teu coração, e não te estribes no teu próprio entendimento. 6 Reconhece-o em todos os teus caminhos, e ele endireitará as tuas veredas. 7 Não sejas sábio a teus próprios olhos; teme ao Senhor e aparta-te do mal. 8 Isso será saúde para a tua carne; e refrigério para os teus ossos.  

 “…Livra nossas almas da tensão e do estresse, e que nosso viver ordenado manifeste a beleza da tua paz” (J. Greenleaf)

Viva uma vida de testemunho. Que as pessoas possam enxergar em você a quietude, a tranquilidade e a paz proporcionada por Cristo. Não se deixe influenciar pelos princípios, convicções e juízos humanos, mas lembre-se de que importa viver de forma a agradar a Deus. Busque a paz no único que pode concedê-la. Busque harmonia nos braços daquele que deu a vida por você. Se sonha em um dia poder cuidar do seu lar com tranquilidade, em ter um casamento feliz e em poder dedicar-se aos seus filhos, peça isso a Deus, busque em oração desde já, e não se preocupe com as críticas que certamente virão, afinal, estamos neste mundo, mas não somos daqui.

I Pedro 5: “6 Humilhai-vos, pois, debaixo da potente mão de Deus, para que a seu tempo vos exalte; 7 lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós.” 

Marlene Notelio de Morais

Namoro Cristão: propósito, direção e… sexo?

– Moça, a castidade pré-nupcial não é a exigência de um Deus machista para as mulheres que o temem… É a ordenança de um Deus amoroso, dirigida a todos, homem e mulher, que desejam viver uma vida em santificação. –

Uma das maiores dificuldades de jovens Cristãos está ligada à sua vida sentimental. A chegada da juventude quase sempre vem acompanhada da ansiedade à cerca da vida amorosa, uma ansiedade muitas vezes influenciada pela pressão dos conceitos e visões seculares. Fato é que os jovens se envolvem cada vez mais cedo em relacionamentos, sem que ainda tenham maturidade para entender como deve ser o namoro à luz das escrituras. Observa-se também uma falta de objetividade e propósito nestes relacionamentos, como se o namoro fosse apenas um passatempo.

É preciso entender, que independente da postura que o restante do mundo adota, uma moça Cristã deve namorar com um único, bem definido e exclusivo propósito: o matrimônio. É esse o conceito que deve nortear a sua vida sentimental, de que namorando alguém, você já terá dado o primeiro passo rumo ao casamento. É claro que o namoro pode não dar certo e ninguém deve se submeter a um casamento sem que esteja certo disso. Porém, não se deve iniciar um namoro sem que haja a intenção clara, um desejo intenso e sincero, de que ele culmine no enlace matrimonial. É triste constatar que existem moças tão novas e já desiludidas por questões amorosas. Moças que mal começaram a viver, e já estão sofrendo por causa de relacionamentos. Já experimentaram decepções que poderiam ter sido facilmente evitadas, se tivessem agido com um pouco mais de cautela.

Quando é a hora de namorar?

Não existe uma idade ou um momento ideal. O que deve haver é a consciência do que é necessário antes de iniciar um namoro.

Vida espiritual

A primeira preocupação na vida de qualquer Cristão deve ser com a sua vida espiritual. Como é o seu relacionamento com Deus? Você já compreendeu o propósito do evangelho? Você pode dizer, sem dúvida, que é verdadeiramente Cristã? Ou você só frequenta a igreja e vive uma religião por que foi ensinada assim? Se você ainda não tem essas respostas, ou se elas não estão de acordo com a bíblia, e o desejo do seu coração é agradar a Deus, então ainda não é a hora de namorar. Isso porque a vida de um Cristão é totalmente baseada na palavra de Deus. Todas as decisões, a forma de enxergar as coisas, os objetivos, as escolhas, tudo isso, de uma forma muito natural e espontânea, passa pelo crivo do evangelho. Um Cristão tem a Cristo como Senhor de sua vida, e a bíblia como sua única regra de fé e prática. Então é preciso ter uma vida espiritual sólida, bem firmada na verdade do evangelho, para que você não seja levada a se distanciar dela por influência de quem quer que seja. O trono do seu coração deve pertencer à Deus. Depois disso, você poderá preencher os outros espaços com um amor.

Mateus 6:33 “buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.”

Vida profissional

Os objetivos profissionais vêm logo em seguida. Todos nós estamos sujeitos a mudar de ideia, à indecisão quanto a que profissão seguir, às incertezas do mercado de trabalho, etc., e você não tem necessariamente que estar com a “vida pronta” para namorar. Mas é necessário que haja objetivo, pelo menos um norte, um plano a seguir. Você deseja ter uma profissão, ou anseia viver como dona de casa, se dedicando exclusivamente a cuidar do lar e da família? Você tem intenção de cursar uma faculdade? Você sonha em estudar no exterior? Onde você espera estar, profissionalmente, daqui a cinco anos? Caso esteja nos seus planos ter uma profissão e trabalhar fora, você precisa pelo menos estar caminhando em direção a isso. É preciso ter esses objetivos em mente, pois farão muita diferença na hora de iniciar um namoro, que pode significar (e tomara que signifique) escolher seu futuro esposo.

Maturidade

A maturidade é indispensável. Maturidade para identificar o parceiro ideal, para avaliar as circunstâncias, e também, maturidade emocional. É necessário que se tenha um conhecimento pleno de quem você é, e do que você espera em outra pessoa. Caso você ignore a importância desse autoconhecimento, estará sujeita a se submeter a uma experiência negativa e frustrante no namoro.

Aprovação dos Pais

Moça, não me leve a mal. Infelizmente vivemos em mundo em que os valores estão sendo deixados de lado, mas se você é Cristã, vai me compreender: honre e obedeça aos seus pais. Deus nos deixou esse mandamento, e ele tem muito valor. Saiba que o conselho de uma mãe amorosa, pode te poupar de muitas coisas ruins. Entenda que seus pais têm experiência, têm um conhecimento da vida que você ainda não tem. Eles buscam seu bem-estar, sua felicidade, e Deus os capacitou a cuidarem de você. Desde que você veio ao mundo, eles fazem sacrifícios, e dedicam todos os esforços para garantir o melhor para sua vida. Eles são dignos da sua confiança e obediência. Se você ainda vive sob o mesmo teto e ainda depende financeiramente deles, é também uma questão de bom senso. Se seus pais não aprovam a relação com determinada pessoa, ou acreditam que ainda não é o momento de você iniciar um namoro, ouça o que a experiência deles diz, muito provavelmente, eles têm razão. Dificilmente a resistência deles com a sua propensa relação será fruto de ciúmes, ou de uma implicância infundada. Não estou dizendo que seus pais são perfeitos e nunca vão errar, mas a probabilidade de que eles estejam certos, é muito grande. Portanto, dialogue e ouça o que eles têm a dizer.

Efésios 6:1-3 1 Vós, filhos, sede obedientes a vossos pais no Senhor, porque isto é justo. 2 Honra a teu pai e a tua mãe (que é o primeiro mandamento com promessa), 3 para que te vá bem, e sejas de longa vida sobre a terra. 

Como deve ser o pretendente ideal?

Se o namoro é a preparação para o casamento, um pretendente precisa ter os atributos para tal. A bíblia ensina em Efésios 5 que o homem deve amar a sua esposa como Cristo amou a igreja, dando a vida por ela se necessário. Este rapaz precisa demonstrar capacidade para isso. Namorar alguém imaturo espiritualmente fará com que você tenha que ensinar e explicar a ele coisas básicas a cerca de ser Cristão. Não é dever seu educá-lo, nem nesse sentido e nem em outros. Obviamente, sempre que nos relacionamos, aprendemos algo novo, crescemos um com o outro. Mas alguém pronto para assumir um relacionamento, precisa demonstrar que possui o entendimento básico e essencial, precisa demonstrar que não é um menino em corpo adulto. Precisa ser alguém dedicado ao estudo da palavra, alguém que demonstre interesse pelas coisas de Deus. O homem com quem você se casará precisa ser alguém capaz de, com o seu auxílio, educar os filhos nos ensinamentos bíblicos. Isso é muito sério! Moça, se você quer um lar cristão, não ignore isso. Alguém que não leva Deus a sério hoje, pode não levar nunca.

Efésios 6:4 “E vós, pais, não provoqueis à ira vossos filhos, mas criai-os na disciplina e admoestação do Senhor”. 

Vencido o questionamento à cerca da vida cristã, seguem os outros questionamentos. Não existe ninguém perfeito. Você também não é. Todos nós temos nossos defeitos e dificuldades, isso é natural. Porém, existem virtudes que são indispensáveis, das quais não devemos abrir mão. Respeito, força de vontade para vencer na vida, disposição para o trabalho, decência. Estas são algumas das virtudes inegociáveis. Não baseie sua escolha em características fúteis, como beleza, riqueza, etc.. Os valores que realmente importam, são os que prevalecerão para o resto da vida.

Ninguém é igual a ninguém. Surgirão muitas divergências de opinião, de ponto de vista, etc. O importante é que você esteja disposta e preparada para lidar com isso, e que tais divergências não se deem em questões primordiais, que sejam de suma importância. Os objetivos do casal precisam estar alinhados. Um rapaz que deseje ter uma esposa que seja exclusivamente dona de casa, não é o ideal para uma moça que queira cursar uma faculdade e ter uma profissão, por exemplo. E se você sonha em ser mãe, e ele diz abertamente que nunca quer ter filhos? É preciso saber certas coisas antes de iniciar o namoro. Não se trata aqui de o homem impor a sua vontade na vida da mulher, ou vice-versa, mas sim, de saber escolher alguém com quem haja compatibilidade, que tenha a mesma visão de mundo. Do contrário, esse casal estará procurando pelo problema. Não é aconselhável se relacionar com uma pessoa esperando que ela mude suas opiniões, seus gostos e seus sonhos, pois isso raramente acontece. Cada pessoa é única, e não há ser humano capaz de mudar a essência de ninguém. Não vale a pena iniciar um namoro, cujo objetivo é o casamento, sabendo que discordam totalmente num assunto que é muito importante. Escolher alguém com pensamentos semelhantes, que esteja de acordo pelo menos nas questões essenciais, evitará muitos dissabores.

Amós 3:3 “Acaso andarão dois juntos, se não estiverem de acordo?” 

Como deve ser um namoro Cristão? E o sexo, pode?

O namoro é o momento de o casal buscar o conhecimento a cerca um do outro, de verificar o que têm e o que não têm em comum, de falar dos planos, dos objetivos, etc. É o momento de dividir seu conhecimento à cerca das coisas de Deus, de crescerem espiritualmente com o auxílio um do outro. É também uma relação muito sadia, em que ambos compartilham de bons momentos juntos, de diversão e de uma amizade diferenciada.

Mas apesar de ser a preparação para o matrimônio, o namoro não é um “treino” pra ele. Moça, o sexo antes do casamento não é correto biblicamente. A relação sexual é algo que Deus criou exclusivamente para marido e mulher. Trata-se de uma aliança que é feita com o cônjuge. É o momento em que dois se tornam uma só carne, e prometem que o serão para sempre. É algo reservado para o casamento.

I Coríntios 7:2 “ mas, por causa da prostituição, tenha cada homem sua própria mulher e cada mulher seu próprio marido”.

I Coríntios 7:9 “Mas, se não podem conter-se, casem-se. Porque é melhor casar do que abrasar-se.”

Nesse ponto pode surgir o questionamento: mas e os casamentos que também acabam? Eles acabam por causa da imperfeição humana, o plano de Deus é que um matrimônio só termine com a morte. Se uma pessoa busca viver de forma que agrade a Deus, saberá entender os planos Dele, e fará todo esforço para cumprir sua vontade.

Mateus 19:4-6  “4 Respondeu-lhe Jesus: Não tendes lido que o Criador os fez desde o princípio homem e mulher,   5 e que ordenou: Por isso deixará o homem pai e mãe, e unir-se-á a sua mulher; e serão os dois uma só carne?  6 Assim já não são mais dois, mas uma só carne. Portanto o que Deus ajuntou, não o separe o homem.” 

Lembre-se que o Cristão, apesar de ser um pecador, vive em busca da santificação, que é a separação do pecado, das coisas que desagradam ao nosso Deus.  Lembre-se também de que nosso corpo é templo do Espírito Santo, e precisa ser preservado.

I Coríntios 6:18-20 “ 18 Fugi da prostituição. Qualquer outro pecado que o homem comete, é fora do corpo; mas o que se prostitui peca contra o seu próprio corpo. 19 Ou não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que habita em vós, o qual possuís da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos? 20 Porque fostes comprados por preço; glorificai pois a Deus no vosso corpo.”

1 Tessalonicenses 4:3-5 “3 Porque esta é a vontade de Deus, a saber, a vossa santificação: que vos abstenhais da prostituição, 4 que cada um de vós saiba possuir o seu vaso em santidade e honra, 5 não na paixão da concupiscência, como os gentios que não conhecem a Deus;” 

 Como resistir?

Não é fácil. Isso ninguém pode negar. Mas existem formas de evitar que a intimidade aumente a ponto de tornar-se mais difícil do que já é. Antes de qualquer coisa, o rapaz com quem você vai namorar, precisa ter consciência de que não haverá relação sexual. Isso tem que ser conversado antes de oficializarem um namoro. Ele precisa saber e estar de acordo. Será que ele está disposto a isso? Moça, a castidade pré-nupcial não é a exigência de um Deus machista para as mulheres que o temem… É a ordenança de um Deus amoroso, dirigida a todos, homem e mulher, que desejam viver uma vida em santificação. Um rapaz temente a Deus saberá disso, e não será nem necessário que você explique a ele. Vocês precisam estar em constante santificação, se consagrando e consagrando a relação de vocês a Deus. É o Espírito Santo quem nos capacita a resistir ao pecado. A consagração (oração, jejum, leitura da palavra), é uma das armas que Deus nos deu. Busquem a Deus juntos, façam isso em harmonia. Roguem ao pai que os livre de cair em tal situação. Além disso, é preciso evitar que a intimidade se eleve. Não sejam levianos agindo como se o proibido fosse a consumação do sexo em si, e que avanços sexuais não representam um problema. Vocês estariam sendo falsos com vocês mesmos.

Hebreus 2:18 “Porque naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que são tentados.” 

I Coríntios 10:13 “Não vos sobreveio nenhuma tentação, senão humana; mas fiel é Deus, o qual não deixará que sejais tentados acima do que podeis resistir, antes com a tentação dará também o meio de saída, para que a possais suportar”.   

Talvez, inicialmente seu namorado diga que se manterá casto, mas depois de um tempo invista em tentativas. Você não deve permitir isso, menina. A sua vontade tem que ser respeitada. Se ele não pode lidar com isso, então que terminem. Não se submeta a algo que não quer, por medo de perder o “príncipe”. Um “príncipe” de verdade, vai te respeitar, vai respeitar seu corpo, seus limites, sua vontade. Se ele não te respeita, ele não serve para ser seu esposo, então este namoro não tem sentido. Não aceite pressão de modo algum. Se ele te ama, e mais, se ele ama a Deus, vai esperar pelo momento certo, para que tenham um casamento segundo a vontade de Dele.

“Hebreus 12:14 Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor,”   

Nem preciso dizer para não se importar com os ditames do mundo, não é? “Todas as minhas amigas já perderam a virgindade”. E daí? Como é o clichê das mães, você não é todo mundo. O que vale para seus amigos não tem que valer pra você. Não se preocupe por ser diferente, isso não é problema algum. Valorize-se, valorize seu futuro marido. Honrem-se, respeitem-se. Orem desde já para que a união de vocês seja abençoada por Deus, para que tenham um lar firmado em Cristo.

Moça, sei que todos nós somos falhos. Quando existe paixão, o desejo é inevitável, e conforme a intimidade aumenta, o sexo é um grande risco. Como é difícil se manter afastada do pecado! Talvez você já tenha dado este passo, ainda que não fosse esse o plano de vocês. Talvez vocês tenham realmente tentado agir de maneira diferente, mas falharam. Não estamos aqui para julgá-la, ou condená-la. Lembre-se que nosso Deus é perdoador, e que Cristo morreu na cruz pelos nossos pecados. Nunca é tarde para se reconciliar, para se arrepender e endireitar seus caminhos. Você não deixou de ser uma garota de valor por causa disso. É necessário, no entanto, se corrigir: admitir para Deus a sua fraqueza, o seu pecado. Pedir o Seu perdão, e suplicar que Ele te ajude a não errar novamente. Jesus Cristo, nosso Salvador, nos amou com profundo amor. Lembra-se do perdão que Ele demonstrou aos pecadores que se arrependeram de suas falhas? Não sofra com isso. Recomece. Se perdoe também. Às vezes, iremos errar.

Salmos 73:26 “A minha carne e o meu coração desfalecem; do meu coração, porém, Deus é a fortaleza, e o meu quinhão para sempre.”   

Só não se acostume com o erro, e nem se conforme com ele, pois isso não é prática de um verdadeiro Cristão. Nós lutamos diariamente contra a impureza, através da ação do Espírito Santo, que é quem nos convence do pecado, da justiça e do juízo.

I João 3:6,9 “6 Todo o que permanece nele não vive pecando; todo o que vive pecando não o viu nem o conhece. 9 Aquele que é nascido de Deus não peca habitualmente; porque a semente de Deus permanece nele, e não pode continuar no pecado, porque é nascido de Deus”.  

Mais uma coisa: Se essa relação gerou vida, sejam responsáveis pelos seus atos. Você não planejou uma gravidez, mas assumiu o risco e a possibilidade. Então seja madura para lidar com isso. Não pense que sua vida estará acabada. Um filho é sempre uma bênção, lembre-se disso.

Se você já tem namorado, ou pretende começar um namoro, espero que esses conselhos te possam ser úteis. Se ainda não tem namorado, e nem pretendente, meu conselho é: curta sua solteirice. Aproveite para dedicar tempo às amizades, para se conhecer melhor, para se dedicar ao máximo aos estudos, para curtir seus pais. Depois que começamos a namorar, tudo passa muito rápido e nem nos damos conta. Todas as fases têm o seu encanto, é preciso aproveitar cada uma delas. Mas faça isso em conformidade com a palavra de Deus.

Se você está ansiosa para encontrar o amor, não fique, menina. Não se desespere a ponto de aceitar namorar alguém de quem não goste, ou alguém que não seja digno de você, simplesmente para dar uma satisfação às suas “amigas”, para mudar seu status no Facebook, ou para ter companhia. Acalme seu coração na certeza de que chegará a hora certa para tudo… Tudo nessa vida passa. Saiba aguardar o tempo de Deus.

Busque a Cristo em primeiro lugar. Peça a Ele que te dê um espírito manso e tranquilo. Peça que te ensine, desde já, a ser a esposa que seu marido precisa, e que Ele prepare um homem segundo a vontade Dele, para ser o esposo que você precisa. Ore desde já pelo seu lar, pela família linda que você terá. Pelos filhos que virão. Ore pelo seu futuro.

Não se esqueça de quem você é, e de onde está firmada. Não negocie seus valores, não abra mão dos seus princípios. Você é uma joia preciosa, de valor inestimável. Brilhe nesse mundo que está em trevas, irradie pureza, transborde a segurança e a paz que Deus produz em você.  Moça, assuma seu papel de filha do Rei. Moça, você é uma princesa.

Romanos 12:2 “E não vos conformeis a este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.”  

Marlene Notelio de Morais

Modéstia e moderação: virtudes de uma garota Cristã

-Se vestir e portar com modéstia não são fardos que ela carrega, mas um anúncio sincero do que ela é. Essa moça tem prazer em exalar feminilidade através de um comportamento delicado, sóbrio e doce. O modo de se vestir é uma expressão da sua liberdade.-

A calêndula, também conhecida como malmequer, é uma planta que possui flores pequenas cuja coloração varia entre os tons de amarelo e alaranjado. Em algumas culturas, tem um simbolismo bem negativo: ela pode representar o medo, o sofrimento, a crueldade, o desespero, o pesar. Por ser utilizada em funerais ela também ficou conhecida como cravo de defunto. Ao contrário das crenças populares à cerca da sua negatividade, esta flor é muito utilizada na indústria farmacêutica e de cosméticos, por possuir propriedades cicatrizantes, antissépticas, anti-inflamatórias, analgésicas e muitas outras. Até na culinária ela faz sucesso. Além disso, apesar de não ser imponente como outras flores, ela possui uma beleza peculiar e encantadora.

images-3

Como uma flor de calêndula, é a mulher Cristã no mundo moderno. A sociedade crítica, a partir da inversão de valores estabelecida, entende que essa mulher representa o retrocesso, algo negativo para uma era em que a maioria diz se libertar de supostas amarras; No entanto, muito ela tem a oferecer. Com sua serenidade e singeleza, é como um calmante para uma vida tão agitada. Com doçura e empatia, vive a cicatrizar as feridas de um mundo marcado pela depravação. Com sua beleza simples e radiante, emoldurada por um trajar elegante, porém sóbrio, ela agracia o jardim em que está plantada.

A calêndula, apesar de atingir em média apenas sessenta centímetros de altura, possui flores duráveis. Assim como ela, a mulher cristã apresenta relações e sentimentos duráveis e concretos. Busca uma rotina que muitos rejeitam por acharem tediosa, mas que quando resultante de decisões bem pensadas, se torna emocionante e feliz. Busca um relacionamento com o parceiro ideal, com quem será uma só carne para o resto da vida. Ela não entrega seu corpo e seu coração à qualquer um, mas àquele que se mostra digno de tal entrega.

“Provérbios: 31. 29. Muitas mulheres têm procedido virtuosamente, mas tu a todas sobrepujas.”

As flores da calêndula se sustentam por uma haste ereta e firme; a mulher conservadora não se curva diante da imposição da sociedade e da mídia, que gritam o tempo todo que ela deve ser diferente, que ela deve “abrir a cabeça”. Ela também está firmada em seus princípios, e o seu comportamento está arraigado em seus valores, dos quais não abre mão.

A forma como esta mulher se veste e se produz, não é chamativa como as vestimentas de outras mulheres. Suas vestes não destacam o corpo, não exibem o suficiente para despertar o desejo e não são sensuais. Assim, ela não atrai muitos olhares. Entretanto, como uma flor menos imponente, porém valiosa, ela desperta os olhares dos observadores. Daqueles que buscam algo além do físico e que também querem aportar de vez em uma relação que dure para sempre, ao invés de se aventurar em relações passageiras. Para o relacionamento amoroso, ela despertará a curiosidade de um homem que esteja atento às virtudes, mais do que à aparência. Esse homem, será movido pelo questionamento à cerca da postura dessa mulher. Buscará descobrir se por trás dessa modéstia ele encontrará as virtudes que anseia em sua amada (virtudes estas que devem compor também o seu próprio caráter). Em termos de convivência, ela atrairá para sua companhia pessoas que entendam e respeitem sua postura conservadora. Pessoas que não esperem que ela abra mão de seus princípios em detrimento de popularidade, de aceitação.

“Provérbios: 31. 30. Enganosa é a graça, e vã é a formosura; mas a mulher que teme ao Senhor, essa será louvada.”

Pelo fato de exigir um solo minimamente fértil, se adaptando facilmente em vários locais, e por ser resistente ao frio, a calêndula é muito cultivada. Assim também, a mulher conservadora consegue se posicionar mesmo em meio às contrariedades do meio em que vive, por não depender da aprovação da “maioria”. Ela vivencia a exclusão, por aqueles que consideram sua postura antiquada. Ela pode não ter muitos amigos e não ser popular. Mas aqueles que se aproximam do seu coração, encontram uma amizade sincera, um amor doador e um viver altruísta.

A mulher virtuosa não o é por se vestir de forma conservadora, nem por se comportar desta ou daquela maneira. Uma falha de caráter pode muito bem ser disfarçada por um aspecto de pudor; um coração duro e sombrio pode ser facilmente escondido por trás de uma roupa comprida e um sorriso meigo. O que acontece na verdade, é que a pessoa que foi transformada por Cristo, será modificada de dentro pra fora. A mudança que Cristo promove no interior, acaba por ser refletida na aparência e nas atitudes. Isso não é algo forçado. Não é uma imposição, um dogma religioso, uma manipulação. É sim, fruto da fé que Deus produz nos corações. É algo sincero, que parte do desejo de externar aquilo que Deus modificou.

Uma mulher verdadeiramente conservadora, não é o que querem que ela seja; não é fruto de uma obrigação. Não é alguém que queira “viver de aparências”. A mulher conservadora é exatamente o que quer ser. O conservadorismo está na sua personalidade, naquilo que ela idealiza pra si. É o seu estilo de vida, é algo que norteia seus caminhos, inerente à sua personalidade.

Ser uma moça Cristã faz com que Cristo tenha papel decisivo em tudo. A forma de pensar, falar, agir, se vestir… tudo o que se é, é um reflexo da ação Dele. Porém, não é um sistema religioso que a influencia ou a obriga. Deus gera nos corações sentimentos e visões à cerca de ser mulher e do que isso representa. Uma mulher virtuosa se sente inteira e completamente livre. Se vestir e portar com modéstia não são fardos que ela carrega, mas um anúncio sincero do que ela é. Essa moça tem prazer em exalar feminilidade através de um comportamento delicado, sóbrio e doce. O modo de se vestir é uma expressão da sua liberdade. Ela não é fraca, nem manipulável, ao contrário do que possam pensar. Ela é livre em todos os sentidos. Essa liberdade é vivenciada e experimentada a partir do seu relacionamento com Deus, e do entendimento da Sua palavra. Essa mulher não é dominada por desejos, não é levada por futilidades, não é atraída por nenhuma libertinagem travestida de liberdade. Ela é consciente em suas atitudes, firme nas suas escolhas. Não é influenciada por modismos, mas tem seus pés firmados naquilo que ela realmente é. Ela é livre da escravidão do mundo e do pecado, uma liberdade que só pode ser dada por Cristo:

“João: 8. 32. e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.”

“Salmos: 119. 45. e andarei em liberdade, pois tenho buscado os teus preceitos.”

“Romanos: 6. 14. Pois o pecado não terá domínio sobre vós, porquanto não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça.”

Mas por que se vestir com modéstia e se portar com moderação?

“Você está bem vestida quando sua aparência simplesmente reflete a beleza interior que Deus produz em você.”
John MacArthur

Ao contrário do que muitos pensam, as vestimentas de uma Cristã não têm que ser de mau gosto. São roupas elegantes que realçam a beleza feminina, uma beleza natural, não forçada. Deus está atento ao nosso coração, mas isso não é motivo para que uma mulher não se preocupe em estar bela. Devemos usar a nossa feminilidade também para nos vestir.

“Rute: 3. 3. Lava-te pois, unge-te, veste os teus melhores vestidos (…)”

No entanto, uma mulher que deseje agradar a Deus, se vestirá com modéstia. Toda a sensualidade deve ser guardada para o cônjuge (isso vale para o homem também), toda atração sexual que nosso corpo possa provocar em alguém, deve ser direcionada e preservada para o esposo. Nossas vestes devem refletir uma pureza sincera. Também, por outro lado, não devemos permitir que o nosso corpo, que é templo do Espírito Santo, leve outra pessoa a cometer pecado.

“1 Pedro: 3. 3. O vosso adorno não seja o enfeite exterior, como as tranças dos cabelos, o uso de jóias de ouro, ou o luxo dos vestidos, 4. mas seja o do íntimo do coração, no incorruptível traje de um espírito manso e tranquilo, que és, para que permaneçam as coisas.”

“1 Timóteo: 2. 9. Quero, do mesmo modo, que as mulheres se ataviem com traje decoroso, com modéstia e sobriedade, não com tranças, ou com ouro, ou pérolas, ou vestidos custosos, 10. mas (como convém a mulheres que fazem profissão de servir a Deus) com boas obras.”

A palavra de Deus não está condenando o uso de enfeites, joias, penteados, etc.. Ela apenas exorta para que isso não seja o que se destaca em nós. Que o que há de melhor em nós, não esteja ligado à aparência, mas que tenhamos um coração voltado para Deus e para Sua obra. Além disso, adverte sobre a modéstia e a sobriedade com que devem se vestir as mulheres que desejam agradar a Deus.

Menina Cristã, não se amolde aos padrões desse mundo. Preocupe-se em agradar e louvar a Deus com a sua  vida. Certifique-se de que suas roupas refletem a mudança que Deus produziu em você. Seja diferente, preserve sua pureza. Não pense que não estará bela por não usar roupas justas ou curtas. Você é bela, moça! Se olhe no espelho… Com sua elegância, seu bom gosto, seu jeito doce. Sua leveza ao caminhar, sua sinceridade no olhar. Uma simplicidade que demonstra o quanto é segura de si. Você não precisa do decote para se impor, para estar bonita. Não se importe com as críticas que ouvirá de garotas que não compreendam seu jeito de ser. Da mesma forma que não deve ofendê-las por suas escolhas, não se sinta ofendida pelas críticas que virão.

“A sensualidade é somente um anúncio público da condição do coração! fuja disso!”
Paul Washer

A nossa feminilidade deve ser composta por um espírito manso, tranquilo e sereno que possa refletir a paz de Cristo em nós. Isso envolve o nosso comportamento, que deve ser moderado:

“Provérbios: 9. 13. A mulher tola é alvoroçadora; é insensata, e não conhece o pudor.”

“Provérbios: 11. 22. Como jóia de ouro em focinho de porca, assim é a mulher formosa que se aparta da discrição.”

Deus não quer dizer para agirmos feito robôs, como alguém que vem com manual de instruções, sem qualquer espontaneidade. De forma alguma. O que Ele espera de nós, é que ajamos de forma discreta, não “alvoroçada”, como alguém que deseje de toda forma chamar a atenção. Um agir ordenado, tranquilo e sóbrio, reflete a paz e a tranquilidade que nos é dada por Cristo. Devemos rogar ao Pai que nos ensine a ser como Ele deseja. Que nos oriente a sermos agradáveis e a darmos testemunho de sua obra. Você não precisa abrir mão de dar boas gargalhadas, de se divertir, de agir naturalmente. Porém, é dever de todo Cristão (não só da mulher), dar um bom testemunho e não escandalizar o evangelho. Veja o que Paulo diz aos Coríntios e aos Filipenses:

“1 Coríntios: 6. 12. Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm. Todas as coisas me são lícitas; mas eu não me deixarei dominar por nenhuma delas.”

“Filipenses: 4. 5. Seja a vossa moderação conhecida de todos os homens. Perto está o Senhor”

Moça, não permita que a imoralidade do mundo corrompa suas virtudes. Que você possa esbanjar beleza e feminilidade, através de um testemunho digno da obra que Cristo realizou em você. Que sua aparência seja um reflexo sincero de quem você é, dos seus valores, daquilo que você acredita. Viva a sua vida para louvor do Criador, pensando nas coisas de Deus, se preocupando em agradar àquele que morreu por você numa cruz. Viva sua feminilidade como uma bela flor, plantada num grande jardim.

Por se portar e se vestir de maneira inversa do esperado, se contrapondo ao senso comum que define a mulher moderna, a garota que preserva seu conservadorismo e feminilidade será sim, fortemente criticada pelos que a rodeiam. Será sempre taxada de antiquada e retrógrada, e no pejorativo, os termos puritana e moralista serão constantemente empregados. Porém, não devemos deixar que isso abale nossos princípios, e nos leve a nos afastar daquilo que realmente somos: garotas Cristãs, garotas conservadoras.

Marlene Notelio de Morais

Ser Conservador já é Crime?

Por Ágata Cavalcante

Se alguém já te acusou de ter mente fechada ou até mesmo pensamentos da idade média,

esse post é para você…

Olá, queridas! E queridos também. Antes de tudo, acho justo que eu me apresente,

me chamo Ágata, estou beirando os 19 anos, sou cristã desde os 9 anos e estou aqui com o

intuito de te ajudar um pouquinho a lidar com “a vida conservadora” (risos).

 

É estranho ter que agir e falar como se fôssemos diferentes, quando na verdade todos os

outros que estão fora da normalidade.

Normal é querer ter família, normal é se respeitar e preservar os bons costumes, na minha

concepção qualquer pensamento que se desvie disso que é “anormal”.

Sabe… todos nós, conservadores, optamos por coisas que durem e tenham continuidade e,

sinceramente, não vejo o que isso tem de tão diferente! Entenda, você não tem

pensamentos da idade média, apenas não deixa que seus princípios se corrompam e

mudem como quem pinta o cabelo a cada vez que surge uma nova tendência.

(Antes que qualquer um que esteja aqui só pra encontrar defeitos no texto, digo que a

referência à pintar o cabelo várias vezes é simbólica e análoga à mudar de gosto e

pensamentos muito fácil ok? Ok.)

Para uma primeira publicação, meu objetivo é que você entenda que não é anormal.

E se, não se sente assim, melhor ainda!

Outro princípio que nos é importante, mas que nos criticam bastante, é a forma que

procuramos nos vestir. Me diga o que há de errado em não sair por aí mostrando tudo?

Acredito que temos muito conteúdo, por isso não há tanta nescessidade de mostrar o físico

para impressionar… além do mais, a beleza só importa nos primeiros 15min né!

Observem a serenidade nos olhares de quem não precisa mostrar a bunda para ficar bonita… (risos altos)

imagem1

 

 

 

Mas isso é assunto para outras publicaçoes, aproveitem para dar uma olhadinha nos nossos

artigos sobre moda aqui no blog.

Então, acima de tudo é importante saber que você tem o direito de ser respeitado por

pensar desse modo, mas também deve respeitar a liberdade individual das pessoas…

Todos temos o direito de pensar e agir como queremos, desde que não afete a liberdade do

outro. Ou seja, não discrimine, ame! E lembre sempre que o seu testemunho, a forma

como vive, é sua arma mais poderosa para influenciar os que estão a sua volta…

#DicaBônus Amar nem sempre é concordar com tudo o que a pessoa faz ou pensa.

Beijo no coração,

Até a próxima sexta!

Submissão feminina: a Bíblia é machista?

Muito se questiona à cerca do posicionamento Bíblico em relação ao sexo feminino. Algumas pessoas por vezes demonstram completa objeção à ordenança dirigida às mulheres em textos como o de Efésios 5. 22:24, e são enfáticas em sua oposição, afirmando ser a bíblia extremamente sexista. Será que tal pensamento é coerente? Seria a bíblia um conglomerado de livros arcaicos que evocam a uma suposta limitação do gênero feminino por considerá-lo inferior, menos capacitado, e consequentemente menos digno? Efésios 5 diz:

22 Vós, mulheres, submetei-vos a vossos maridos, como ao Senhor; 23 porque o marido é a cabeça da mulher, como também Cristo é a cabeça da igreja, sendo ele próprio o Salvador do corpo.  24 Mas, assim como a igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres o sejam em tudo a seus maridos.

Numa primeira leitura, este texto pode gerar certo espanto ou estranheza para quem ainda não tem um real entendimento do sentido em que foi escrito. Mas adianto: Não, a Bíblia não é machista sob nenhum aspecto. É preciso considerar que a Bíblia foi escrita por homens, mas inspirada por Deus. Tendo Deus por atributos a perfeição e a imutabilidade, e não apresentando qualquer resquício da imperfeição humana, seria incoerente crer que Ele, em algum momento, poderia ser conivente com algo como o machismo.

Em uma publicação futura, falaremos especificamente sobre como a mulher cristã deve exercer essa submissão. Com esse texto pretendemos inicialmente esclarecer o que é a submissão descrita na bíblia; qual é, em contrapartida, a ordenança de Deus para os homens e dar exemplos de textos e personagens, que não apenas comprovam a inexistência do sexismo, como também demonstram o valor da mulher.

O que é, então, a submissão?

O termo submissão empregado nos textos tem sentido distinto do utilizado nos dias de hoje. Em pesquisa ao dicionário encontraríamos significados como: “condição em que se é obrigado a obedecer; sujeição, subordinação, subalternidade”. Olhando, porém, a etimologia da palavra no latim, nos deparamos com: SUB-, “abaixo”, mais MITTERE, “mandar, enviar, deixar ir”¹. Em resumo seria SUB – MISSÃO: Existe uma primeira missão, e uma segunda, posta abaixo. O autor Saul Brandalise Jr. define em uma publicação²:

“Submissão significa estar disposto a fazer a vontade de outra pessoa, mesmo que esta vontade vá contra os nossos próprios desejos e interesses. Ser submisso exige muita humildade, pois significa reconhecer a autoridade de outra pessoa. A etimologia da palavra – seu sentido ORIGINAL- é estar abaixo da missão de outra pessoa. (…) Assim, em escritos antigos (como a Bíblia, por exemplo) submisso significará debaixo da missão, pois esse era seu sentido naquela época. Hoje o seu significado é outro, e tem a ver apenas com obediência inquestionável.”

Em grego, a palavra submissão é hupotasso:

“O Léxico define mais: hupotasso é um termo militar que significa organizar (divisões de tropa) numa forma militar sob comando de um líder. Em uso não-militar, é a atitude voluntária de ceder, cooperar, assumir responsabilidade, e levar a carga.”³

Agora, na sequência do texto bíblico, vejamos o que Paulo diz à cerca do homem:

“25 Vós, maridos, amai a vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela,(…) 28 Assim devem os maridos amar a suas próprias mulheres, como a seus próprios corpos. Quem ama a sua mulher, ama-se a si mesmo. 29 Pois nunca ninguém aborreceu a sua própria carne, antes a nutre e preza, como também Cristo à igreja; (Efésios 5).

No texto de Efésios Paulo faz uma analogia do matrimônio com o relacionamento entre Cristo e a igreja. A mulher representa o corpo, a igreja; e o homem, o cabeça, que é Cristo. Sim, Deus deu ao homem o papel da liderança, deu a ele autoridade. Mas isso não diminui em nada o valor da mulher. Ora, o que é a cabeça sem o corpo, ou o corpo sem a cabeça? Tem a cabeça valor fora do corpo, ou corpo alguma valia sem a cabeça? (Aqui tem fim a analogia, Cristo é Deus Filho, onipotente e soberano, e não depende em nada do homem). Se o homem é o cabeça da mulher, como Cristo é o cabeça da igreja, pode-se imaginar o tamanho da responsabilidade que Deus deu a ele: Cristo deu a vida pela igreja, por tanto amá-la. E o quão difícil pode ser demonstrar submissão a um homem que ama tanto a sua esposa, a ponto de dar a vida por ela?

Ser submissa requer sim, sabedoria e humildade, pois significa negar o próprio ego. Mas torna-se algo extremamente simples a partir do momento em que ambos, homem e mulher, compreendem o propósito Divino. Ser submissa não é ser escrava ou subalterna, muito menos aceitar qualquer forma que seja de violência, agressão ou desrespeito. O que a Bíblia estabelece então, é o papel de cada um no matrimônio.

O que possibilita um melhor entendimento é a análise dos textos da criação em Gêneses capítulos 1 e 2. Sobre tudo que Deus criou, a palavra nos diz que Ele viu que era muito bom. Com relação ao homem, porém, Ele viu que não era bom que estivesse só: “Disse mais o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora que lhe seja idônea. (Gn 2.18)”. E assim Deus fez cair um sono sobre Adão e da costela dele formou a mulher. Deus não se agradou da condição do homem, e fez para ele uma auxiliadora, uma ajudadora, para estar com ele em sua missão, em uma submissão. Deus fez o homem do pó, e a mulher, da carne de Adão, para que os dois fossem um só. Separados, homem e mulher são apenas duas metades. Quando se unem em matrimônio, ambos se completam e se tornam uma só carne, não se tratando, portanto, de uma disputa de poder.

Para cumprir a sua missão, que não é menos importante que a do homem, Deus deu à mulher características, dons e talentos próprios, que fazem toda diferença para a família e para a sociedade (leia também: Mulher conservadora e a modernidade). O papel da mulher é sublime: Deus deu especialmente a ela a capacidade de gerar vida em seu ventre. O próprio Deus Filho, ao vir ao mundo em forma humana, foi concebido no ventre de Maria. Como poderia a mulher ser discriminada por Deus?

A mulher também é decisiva no casamento, veja o que diz Provérbios 14.1: “Toda mulher sábia edifica a sua casa; a insensata, porém, derruba-a com as suas mãos”. A mulher tem poder tanto para edificar, quanto para derrubar um lar. Aqueles que convivem no vínculo familiar são testemunhas da força interior que a mulher tem, da sua bravura e determinação. Em momentos difíceis, em que todos são tomados pelo desespero, a mulher permanece firme sendo o esteio, o sustentáculo, o porto seguro de todos, e em especial, do marido. A mulher tem a capacidade de avaliar as situações com mais frieza, cautela e paciência. Com sua força, que vem disfarçada pela doçura, a mulher temente a Deus, consegue se posicionar nos momentos conflituosos pelos quais todos passam, e tem o poder de edificar a sua família. Num casamento bíblico, vivido à luz das escrituras e que tem Deus por alicerce, o que acontece na maioria das vezes, é que o homem torna-se profundo admirador da sabedoria feminina e apegado ao seu aconchego. Num casamento assim, o homem enxerga sua esposa como uma verdadeira rainha.

Deus ama suas filhas com profundo e incondicional amor, e de forma alguma tem por elas menos apreço do que para com os homens.

A mulher é biblicamente impedida de trabalhar, estudar, ou ainda exercer um papel importante na sociedade?

Não. Abaixo estão alguns versículos de Provérbios 31, que falam da mulher virtuosa. Estes versos falam tanto do trabalho doméstico, como também do comercial:

13  Ela busca lã e linho, e trabalha de boa vontade com as mãos. 14 É como os navios do negociante; de longe traz o seu pão. 15  E quando ainda está escuro, ela se levanta, e dá mantimento à sua casa, e a tarefa às suas servas. 16  Considera um campo, e compra-o; planta uma vinha com o fruto de suas mãos.  17  Cinge os seus lombos de força, e fortalece os seus braços. 18 Prova e vê que é boa a sua mercadoria; e a sua lâmpada não se apaga de noite.   19  Estende as mãos ao fuso, e as suas mãos pegam na roca. 24  Faz vestidos de linho, e vende-os, e entrega cintas aos mercadores. 25  A força e a dignidade são os seus vestidos; e ri-se do tempo vindouro.26  Abre a sua boca com sabedoria, e o ensino da benevolência está na sua língua. 27  Olha pelo governo de sua casa, e não come o pão da preguiça.

Alguns exemplos de Mulheres que trabalhavam fora ou exerceram algum papel/cargo importante:

  • Lídia era uma vendedora (Atos 16);
  • Débora era Juíza, julgava o povo de Israel, um papel de liderança (Juízes 4)
  • Ester se tornou Rainha e a partir da sua coragem salvou a seu povo; (Livro de Ester).

A bíblia mostra, inclusive, que mulheres sustentaram financeiramente à homens que estavam a serviço de Deus, e não dispunham dos recursos financeiros necessários.

  • A viúva de Sarepta sustentou o profeta Elias (1 Reis 17)
  • Maria Madalena, Joana, Suzana e muitas outras, como o próprio texto diz, que serviam “com os seus bens”. Estas auxiliavam financeiramente no ministério de Cristo. (Lucas 8. 2:3)
  • Marta e Maria que receberam Jesus em casa (Lucas 10.38).

Essas e muitas outras exerceram papel de grande importância. Além disso, a Bíblia narra do início ao fim a história de diversas mulheres. Mulheres que deram exemplo de fé, força e coragem, e ainda mulheres que foram agraciadas com milagres: Sara, Rebeca, Raquel, Rute, Raabe, Ana, Izabel, a mulher do fluxo de sangue, a mulher samaritana, a viúva de Naim, a filha de Jairo, a sogra de Pedro e tantas outras. Todas essas histórias registradas nos possibilitam entender o amor e o cuidado de Deus com suas filhas. Ele nos criou para Seu louvor, honra e glória. Viver aquilo que Deus planejou, não deve ser visto como um fardo. Devemos viver em contentamento de coração, sabedoras do quanto somos amadas e queridas pelo nosso Pai. Ser uma esposa excelente, é uma forma de louvar ao Senhor e a obra que Ele criou. Permitir-se ser amada por ele como Cristo ama a sua Igreja, através de um comportamento piedoso, digno, ordenado, manso e humilde, faz de nós exemplos para um mundo tão pervertido, onde o desamor reina.

É importante saber que o matrimônio que Deus idealizou, só será plenamente vivenciado se a mulher for sábia e prudente em suas escolhas. O machismo e a violência contra a mulher, infelizmente existem. Estas são práticas, porém, que não representam o comportamento de todos os homens. Um homem de caráter, de princípios sólidos, não agiria assim. Um homem segundo o coração de Deus, que foi alcançado e liberto por Cristo, saberá honrar, respeitar e amar sua esposa como deve ser.

Moças cristãs e conservadoras que se preparam para o matrimônio, que vocês possam se empenhar em compreender a grandeza de tudo que Deus fez, e da forma como Ele fez. Preserve seu corpo e proteja seu coração de armadilhas e ciladas: saiba esperar para si um esposo que mereça tê-la por companheira, alguém digno de quem você é, não aceite menos que isso; e então, ser submissa será algo natural e belo de ser vivido.

Sejamos então mulheres agradáveis a Deus, valhamo-nos dos dons dados por Ele, a fim de sermos canal de bênção para nossa família; louvemos a Deus com nossas vidas, pois ser mulher é algo maravilhoso. Roguemos ao nosso Pai que nos capacite, e nos ensine a ser a mulher ideal. Aceitemos com abnegação, alegria e prazer a nossa missão. Exercer o papel que Deus nos delegou, não é um peso, mas sim, um enorme e lindo privilégio. Viva a feminilidade.

Marlene Notelio de Morais

¹ http://origemdapalavra.com.br/site/palavras/submissao/

² http://somostodosum.ig.com.br/conteudo/c.asp?id=8548

³ http://belverede.blogspot.com.br/2009/08/efesios-522-submissao-da-mulher-no.html